FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF

 Sindicato dos Professores no Estrangeiro
newsletter 
RSS
22 mai 2010 / 21:32

Conceito de actividade extracurricular ou os conceitos avulsos e discricionários de quem não domina o conceito!

Estudos sobre as actividades extracurriculares mostram que os alunos que participam nestas actividades apresentam um melhor desempenho académico, com níveis mais elevados de auto-estima.

A participação em actividades extracurriculares trazem benefícios aos alunos relativamente ao seu desempenho académico. Nos efeitos de interacção entre a participação em actividades extracurriculares e o ano de escolaridade, constata-se que no desempenho académico, na motivação e na auto-estima verifica-se que o impacto não é elevado em termos de ano de escolaridade, todavia regista-se um efeito de interacção na dimensão competência em língua materna.

Por actividades extracurriculares costumam designar-se todas as actividades que não estejam inseridas no âmbito curricular e que não têm por isso uma relação directa com as diversas turmas dos diferentes anos escolares.

No entanto, e devido à evolução que algumas actividades têm vindo a ter no desenvolvimento das actividades de enriquecimento curricular, cada vez mais o docente a elas recorre no sentido de despertar o criativo, desenvolver o aspecto lúdico, criar uma interacção com a comunidade escolar procurando chamar os pais e as mães para uma real participação na instituição escola.

Actividades de carácter lúdico, leccionadas pelos docentes, nas suas turmas, para os alunos que as acolhem com interesse e por opção do colectivo.

As actividades visam um enriquecimento curricular e propõem estimular o desenvolvimento das dimensões física e estética nos nossos educandos, através de novas experiências de aprendizagens que possibilitam o despertar de habilidades para além do campo académico.

É demolidora a leitura feita por professores que, pertencendo às nóveis Comissões de Avaliação geradas pelo Regulamento Interno da Avaliação do Desempenho dos Docentes do EPE que, com entendimentos díspares sobre o conceito, entendem o que provavelmente não conseguem compreender ou não têm opinião formada ou não sabem o que dizem!

Mas o problema coloca-se quando o conceito tem que reverter em condição avaliativa dos principais responsáveis pela implementação das actividades. Aqui esquece-se o empenho, a dedicação, as horas dispendidas a gizar as mesmas para, em pouco segundos, verem desmoronar toda uma construção feita com carinho e dedicação!

Não é justo brincar com o trabalho dos outros! Não é justo avaliar-se o que se desconhece! Não é justo depreciar de forma despicienda o que é realizado com a melhor das intenções e com o empenho e envolvimento da comunidade escolar!

Basta de tanto errar, e começar a pensar em fazer bem para fazer melhor. Quem não é capaz, tenha a dignidade de assumir a incapacidade e recuse a tarefa de se fazer passar por avaliador sem ter capacidade para o desempenho do cargo.

O SPE/FENPROF dará voz todos os descontentes espalhados por todo o EPE no sentido de não calar, por medos injustificados e mesquinhos, as vozes de indignação que se sufocam sabe-se lá com que receios!

Companheiros/as, é hora de união e de dizer basta a todos os que querem destruir o que tanto esforço nos levou a sustentar e engrandecer. As comunidades de emigrantes e imigrantes esperam um gesto de revolta, um atitude de reprovação de tudo o que, presentemente, está a ser feito em nome de uma legalidade ferida de morte por falta de transparência processual.

O SPE/FENPROF tem estado em constante acompanhamento de todo o processo no sentido de chamar a atenção dos responsáveis para os gravíssimos atropelos de que estão a ser alvo a maioria dos docentes no EPE.

 

Sindicato dos Professores no Estrangeiro

Secretário-Geral

Luxemburgo, 22 de Maio de 2010.

 

Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Skip Navigation Links.

                 

Voltar ao Topo