2.º e 3.º CEB e Ensino Secundário
Concurso de Professores

Resultados ficam aquém das expetativas

18 de julho, 2017

Duas centenas de vagas extintas; algumas centenas por abrir; quase dois terços dos candidatos ao concurso interno não se moveram. Vem agora um período de 5 dias úteis para regularizar situação dos que foram ilegalmente excluídos.

Globalmente, o resultado deste concurso fica aquém das legítimas expetativas dos professores, tanto no que respeita à vinculação, como à mobilidade por via do concurso interno. Ainda assim, superou os registos dos concursos realizados no mandato de Nuno Crato, não tendo sido alheio a esse facto a ação da FENPROF que contou sempre com o envolvimento dos professores.

Duas centenas de vagas extintas; algumas centenas por abrir; quase dois terços dos candidatos ao concurso interno não se moveram

 

Vem agora um período de 5 dias úteis para regularizar situação dos que foram ilegalmente excluídosDuas centenas de vagas extintas; algumas centenas por abrir; quase dois terços dos candidatos ao concurso interno não se moveram

 

Vem agora um período de 5 dias úteis para regularizar situação dos que foram ilegalmente excluídos

Lista de Ordenação de Professores no Concurso Externo

18 de julho, 2017

Consulte aqui as listas do concurso externo.

Colocação de Professores

Listas de Colocação de Professores no Concurso Interno

18 de julho, 2017

Consulte aqui as listas de colocação de professores no concurso interno.

2/3 CEB

FENPROF recebe FNAEBS

07 de julho, 2017

A Direção da recém-criada Federação Nacional de Associações de Estudantes do Ensino Básico e Secundário visitou, esta quinta-feira, a FENPROF para apresentar a Federação e os seus principais objetivos, bem como algumas das suas principais preocupações.

Ensino Particular e Cooperativo - 2/3 CEB

Inquérito sobre os horários dos docentes das escolas do Ensino Particular e Cooperativo – 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário

05 de julho, 2017

Colabore connosco e preencha o inquérito sobre os horários de trabalho dos docentes das escolas do ensino particular e cooperativo.

OAL

Circular sobre organização do ano 2017/18 confirma intervalos integrados na componente letiva

30 de junho, 2017

Foi divulgada uma circular interpretativa da aplicação do Despacho n.º 4-A/2016, cujos efeitos se estendem ao próximo ano letivo (2017/18), e que reconhece o direito à integração dos intervalos no horário letivo dos professores do 1.º CEB.

Calendário Escolar 2017/18

Posição da FENPROF sobre o Calendário Escolar 2017/18

23 de junho, 2017

O Despacho da Secretaria de Estado da Educação sobre o calendário escolar para o ano letivo 2017/18 foi publicado esta quinta-feira, dia 22 de junho de 2017, em Diário da República.
A FENPROF congratula-se com o facto de, 15 anos depois, o calendário escolar da educação pré-escolar voltar a coincidir com o do 1.º ciclo, mas manifesta, também, algumas preocupações e questões ainda por resolver no calendário escolar.
Leia aqui a posição da FENPROF sobre o Calendário Escolar 2017/18.

O Despacho da Secretaria de Estado da Educação sobre o calendário escolar para o ano letivo 2017/18 foi publicado esta quinta-feira, dia 22 de junho de 2017, em Diário da República.

A FENPROF congratula-se com o facto de, 15 anos depois, o calendário escolar da educação pré-escolar voltar a coincidir com o do 1.º ciclo, mas manifesta, também, algumas preocupações e questões ainda por resolver no calendário escolar.

Conheça a posição da FENPROF sobre o Calendário Escolar 2017/18.

NEGOCIAÇÃO

Propostas da FENPROF para um compromisso entre o Ministério da Educação e a FENPROF

19 de junho, 2017

Na sequência da reunião realizada esta segunda-feira (19 de junho), às 19 horas, com o Ministério da Educação, a FENPROF enviou um conjunto de propostas a integrar no documento recebido do ME em 16 de junho, e que se assinalam a azul. 
Este foi um último esforço no sentido de estabelecer uma base negocial com o ME, com vista à resolução de problemas que afetam os docentes, as escolas e o sistema educativo.
O Secretariado Nacional

Na sequência da reunião realizada esta segunda-feira (19 de junho), às 19 horas, com o Ministério da Educação, a FENPROF enviou um conjunto de propostas a integrar no documento recebido do ME em 16 de junho. 

 

ALTERAÇÃO DE CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DE PROVAS FINAIS E DE EXAMES

IAVE desmentiu o que foi afirmado pela FENPROF, mas os factos desmentem o que foi afirmado pelo presidente do IAVE

15 de julho, 2015

Atualizado a 15/07/2015, 19h40

PARCERIA GOVERNO-CAMBRIDGE

Afinal, governo vai pagar à Cambridge! Só não se sabe quanto e porquê…

09 de julho, 2015

Apesar de ter garantido que não haveria qualquer despesa acrescida com o PET, MEC/IAVE vem agora dizer que, afinal, o erário público vai suportar despesa que não revela.

Descontos salariais por greve ao serviço do PET

PROFESSORES, MOTORES DA LUTA E DAS SUAS CONQUISTAS!

Saudação aos professores pelos resultados positivos que a sua luta tornou possíveis!

29 de junho, 2013

Os professores portugueses desenvolveram um dos seus mais fortes processos de luta e fizeram-no de forma irrepreensível. A grande determinação que esteve presente ao longo de 18 dias, nos quais realizaram greve às avaliações (inviabilizando mais de 95% das reuniões previstas), participaram numa enorme Manifestação Nacional e realizaram uma das maiores e mais significativas greves nacionais, foi essencial para a obtenção dos compromissos que o MEC foi obrigado a assumir na ata de conclusão das negociações. 

Pela calada e sem negociação, MEC publica despacho sobre a Organização do Ano Letivo 2012-2013

05 de junho, 2012

Sem que tenha havido qualquer processo de negociação ou, sequer, audição, o MEC fez hoje publicar em Diário da República, por via eletrónica, o Despacho normativo n.º 13-A/2012, de 5 de junho

Ver despacho normativo n.º 13-A/2012:
http://dre.pt/pdfdia2s/10902.pdf.

FENPROF exige esclarecimentos urgentes do M.E.!

Exames no ensino secundário: é o desrespeito total pelos professores!

17 de março, 2011

O GAVE/M.E. seleccionou os professores e, apenas esta semana, informou os seleccionados de que sexta e sábado teriam de frequentar acções de formação, em muitos casos, a centenas de quilómetros de suas casas.

Nota de imprensa da FENPROF de 18/05/2009

Provas de aferição do ensino básico: ME perverte objectivo e procura remeter para as escolas responsabilidades que são suas!

18 de maio, 2009

Por parte dos professores e das escolas, tem sido notória a crítica de que, das conclusões retiradas dos resultados obtidos, nunca resultou um reforço de recursos capazes de contribuírem para combater os constrangimentos identificados. Tal denuncia que a equipa do ME pretende que as referidas provas sejam mais um mecanismo de avaliação e responsabilização das escolas e dos professores do que, realmente, uma verdadeira avaliação do sistema educativo de onde deveria resultar, sobretudo, a assunção de responsabilidades políticas. Esta intenção, que a FENPROF rejeita e repudia, fica muito clara pelo facto de o ME remeter para as escolas, e só para estas, a incumbência de montar estratégias de superação das dificuldades dos alunos, pretensamente diagnosticadas através das classificações por eles obtidas.

FENPROF já teve conhecimento de horários ilegais por violação dos limites e regras consagrados no Despacho n.º 19.117/2008, de 17 de Julho

Horários dos professores e educadores: regras e limites legalmente estabelecidos têm de ser cumpridos e respeitados

09 de setembro, 2008

Na elaboração dos horários dos docentes, lembra a FENPROF, nunca o conjunto das três componentes poderá ultrapassar as 35 horas semanais, tendo de ser respeitados os seguintes limites e regras legalmente estabelecidos:

Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico:

 

  • Componente lectiva - 25 horas;

  • Componente não lectiva de estabelecimento - máximo de 2 horas *;

  • Componente de trabalho individual - mínimo de 8 horas**.

2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário:

 

  • Componente lectiva - entre 22 e 14 horas (de acordo com artigos 77.º e 79.º do ECD);

  • Componente não lectiva de estabelecimento - máximo de 2 ou 3 horas (consoante o docente tenha mais ou menos de 100 alunos, a que, apenas, podem acrescer as horas de redução ao abrigo do artigo 79.º do ECD) *;

  • Componente de trabalho individual - mínimo de 11 ou 10 horas** (consoante o docente tenha mais ou menos de 100 alunos).

* Terão de ser deduzidas as horas referentes a acções de formação contínua, de acordo com artigo 6.º, n.º1, alínea n).
** Inclui reuniões, mas apenas as "que decorram de necessidades ocasionais".

MINUTAS DE RECLAMAÇÃO NO CASO DE HORÁRIO ILEGAL:

FENPROF comenta notícia divulgada (17/07/2008) sobre alterações a introduzir na estrutura dos horários dos professores do 2º CEB, já a partir de Setembro. Apesar de eventuais implicações de ordem sócio-profissional, ME não negociou com os Sindicatos

Alterações no 2º CEB são extemporâneas sem profunda intervenção no 1º Ciclo

17 de julho, 2008

A Federação Nacional dos Professores alerta para o perigo de o Ministério da Educação se estar a preparar para introduzir alterações radicais na filosofia organizativa do 2º Ciclo do Ensino Básico, à margem de uma cuidada e rigorosa discussão com os peritos nestas áreas de definição e organização curricular, com graves implicações no que concerne à formação inicial dos docentes e, sobretudo, à qualidade das aprendizagens dos alunos.

Nota do Secretariado Nacional da FENPROF de 10/12/2007

"Novas Oportunidades": Governo não deve ceder à tentação das estatísticas nem ao facilitismo na certificação

11 de dezembro, 2007

Reconhece a FENPROF que, num quadro internacional de desenvolvimento e qualificação das sociedades, Portugal deve mobilizar os recursos e accionar os mecanismos necessários para pôr em prática os modelos de reconhecimento de competências adquiridas por vias não formais e informais. Deve fazê-lo, contudo, não cedendo à tentação das estatísticas e do facilitismo na certificação pelo que importa alertar para alguns aspectos que consideramos fundamentais.

Comunicado de imprensa do SN da FENPROF, de 21/05/2007

Provas de aferição dos 4º e 6º anos: ME não revela tudo o que pretende e, mais uma vez, direitos dos docentes são postos em causa

10 de julho, 2007

A FENPROF entende a aferição como um importante instrumento de avaliação do sistema educativo que deverá ter, como único fim, esse mesmo objectivo. As provas de aferição não podem servir para avaliar alunos, professores ou escolas, mas o sistema educativo! Daí que a FENPROF considere que o modelo utilizado até ao passado ano lectivo - o da realização por amostragem - cumpre, cabalmente, tal objectivo e discorde da realização de provas aferidas por parte de todos alunos dos 4º e 6º anos de escolaridade. Ou será que o objectivo do ME não é avaliar o sistema, mas qualquer outro que não explicita?

ME não recebe delegação da FENPROF

Professores de Técnicas Especiais exigem legislação que solucione a sua situação profissional

03 de julho, 2007

No dia 17 de Maio, reuniram em Plenário Nacional, na sede da FENPROF, em Lisboa, docentes de Técnicas Especiais cuja situação de instabilidade profissional e de vínculo precário se arrasta há vários anos, em alguns casos há 20 anos. Sem direito a integrar um quadro ou de ter acesso à carreira, estes docentes têm vindo a exigir a aprovação de legislação que solucione a sua situação profissional.Os documentos aprovados no plenário foram recebidos no hall das instalações do Ministério da Educação, por uma representante do CIREP.

Garantida a resolução de várias situações no âmbito da Profissionalização nos termos do Despacho 6365/2005

Profissionalização : Reunião SPGL / ME de 17 de Novembro

03 de janeiro, 2006

Moção aprovada em Lisboa (28/04/2005)

Docentes contratados de Técnicas Especiais exigem integração nos quadros

13 de junho, 2005

Ofício da FENPROF ao Ministro da Educação

Reforma Curricular do Ensino Secundário

28 de setembro, 2004