CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
05 jun 2018 / 18:31

Reunião desta quarta-feira permitirá ao ME abandonar a posição de desrespeito pelos professores. Seja essa a sua vontade…

Os professores não aceitam ser espoliados de tempo de serviço que cumpriram e, dessa forma, ser discriminados em relação à generalidade da Administração Pública.

A posição do governo, de clara chantagem sobre as organizações sindicais, está a gerar uma onda de forte indignação nas escolas com os professores a organizarem-se para uma guerra às avaliações que se iniciará a 18 de junho e terá uma das mais fortes adesões de sempre. 

São 9 anos, 4 meses e 2 dias que foram cumpridos; um tempo que o governo, em novembro passado, se comprometeu a contar; um tempo que a Assembleia da República recomenda que se conte; um tempo que a Lei do Orçamento do Estado não questiona, só prevendo a negociação do prazo e do modo de recuperação. 

Por esta razão, na reunião que se realiza esta quarta-feira no Ministério da Educação, a partir das 11:30 horas, para negociação do despacho de Organização do Ano Letivo, no qual deverão figurar normas que reponham o horário dos professores nas 35 horas legalmente estabelecidas (o que não se prevê no projeto do ME), a FENPROF recolocará a questão do tempo de serviço. Repudiará a chantagem e reafirmará não ser necessário qualquer acordo – de que fala o Ministro –, mas a concretização do que, em novembro, deu origem à Declaração de Compromisso. 

Apelamos a que acompanhem esta reunião, que deverá terminar por volta das 13 horas. É mais uma em que o ME/Governo poderá alterar a posição que levou para a de 4 de maio, o que, a verificar-se, poderá devolver a tranquilidade às escolas neste final de ano.

Antes, pelas 10 horas, a FENPROF participará na Audição Parlamentar para que foi convidada pela 8ª Comissão. 

 

O Secretariado Nacional

 


 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Voltar ao Topo