CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
31 mar 2009 / 15:00

ME afasta da Educação Especial 2572 docentes!

"A verdade aí está, agora, nua e crua, a dar-nos razão. Ao afastar da Educação Especial 2572 docentes, o ME desrespeita e ataca o direito constitucional à Educação de milhares crianças e jovens (e suas famílias), degrada a resposta educativa a TODOS os alunos, agrava as condições de trabalho dos profissionais da educação e vibra mais um golpe na Escola Pública Inclusiva". O alerta foi dado pela FENPROF na conferência de imprensa realizada ao início da tarde de 1 de Abril (esta quarta-feira), em Lisboa.

Estiveram presentes na Mesa deste encontro com a comunicação social os dirigentes sindicais: Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF,que apresentou e comentou as principais questões abordadas na declaração entregue aos jornalistas; Vitor Gomes (SPN), coordenador do sector da Educação Especial;  Filomena Ventura (SPGL); Manuel Rodrigues (SPRC); Ana Simões (SPZS); Helena Freitas (SPM) e Clotilde Duarte (SPRA).

"Desde sempre, as questões da Educação Especial têm vindo a merecer por parte da Federação Nacional dos Professores e dos seus Sindicatos, uma especial atenção e têm estado presentes na sua actividade e acção reivindicativa", começa por  referir a tomada de posição sindical, que acrescenta: "O modelo da Escola Inclusiva é uma exigência social e política que se impõe, a par do cumprimento de valores como a democracia, a justiça social, a solidariedade e o direito de todos à educação", e só é realizável no quadro de uma Escola Pública de Qualidade."

Depois de afirmar que "a construção de uma sociedade justa, equilibrada e inclusiva só será uma realidade quando o poder político entender como estratégico um sistema educativo que, inequivocamente, proporcione aos seus alunos uma educação para a cidadania, para os direitos humanos e para o respeito dessa mesma condição, em todas as suas dimensões", a FENPROF lembra que "o Ministério da Educação não hesitou, ao longo desta legislatura e, principalmente, nos últimos três anos, em diminuir os apoios especializados de Educação Especial", criando graves problemas nas escolas e entre as famílias.

Um pouco de História ou a importância de recordar
alguns passos positivos (iniciais)

"Mas, nem sempre foi assim", sublinha a FENPROF, que recorda: "A partir de 1973/74, o Ministério da Educação publicou importantes diplomas legais que anunciavam a integração e assumiam, pela primeira vez, a educação das crianças e alunos deficientes, embora a maior parte dos investimentos financeiros do estado, na educação destes alunos, tivesse sido dirigida para as estruturas segregadas e não para o desenvolvimento da educação integrada."

E mais adiante:

"Entretanto, não obstante a Lei de Bases do Sistema Educativo atribuir, explicitamente, ao Ministério da Educação, a responsabilidade de orientar a política de educação especial, a acção deste ministério, até inícios da década de 90, permaneceu muito reduzida no que se refere às restantes estruturas privadas. Manteve-se assim, maioritariamente no sector da Segurança Social, o apoio financeiro e a coordenação do encaminhamento de alunos para essas estruturas. Tal facto teve consequências negativas que marcaram a oferta educativa da educação especial até aos nossos dias."

A FENPROF recorda ainda que "só nos anos 90, se assiste a um esforço de coordenação de políticas e de medidas organizativas entre os sectores da Educação e da Segurança Social, que invertem as responsabilidades nesta área, muito embora se mantenham problemas estruturais."

Quanto às estruturas de apoio educativo, "é nos anos 70 que se conhecem as primeiras tentativas de organizar esses apoios através de uma intervenção junto dos professores e da escola, e não tanto no apoio directo aos alunos. É, desta fase, a criação dos Serviços de Apoio às Dificuldades de Aprendizagem, que assumiam já uma perspectiva interdisciplinar, na medida em que integravam psicólogos, para além dos docentes, o que lhes conferia características inovadoras. Estes serviços foram extintos em 1988, por serem considerados uma sobreposição às Equipas de Educação Especial."

"Na década de 90 foram criadas as Equipas de Coordenação dos Apoios Educativos, como uma estrutura de avaliação e encaminhamento dos alunos com necessidades educativas especiais e visava a criação de respostas adequadas a dar a esses alunos, nas escolas das suas comunidades", lembra a FENPROF.

Cronologia da política de retrocesso
e de ataque à Educação Especial

"Desinvestimento"
tem sido, ultimamente, a palavra de ordem do Ministério em relação à Educação Especial. "Os últimos anos ficam marcados por retrocessos de décadas no desenvolvimento de políticas educativas inclusivas", esclarece a FENPROF, que aponta alguns desses momentos mais salientes pela negativa:

Em 2005

  • Utilização restritiva do conceito "necessidades educativas especiais", significando portadores de deficiências permanente e prolongadas.
  • Diminuição, por consequência, do número de alunos a apoiar pelos serviços de educação especial.

Em 2006

  • Criação de três grupos de recrutamento da educação especial, correspondendo à tipologia clássica de deficiências (mental, auditiva e visual), não tendo respeitado a formação inicial dos docentes com formação especializada.
  • Realização do primeiro concurso, com apenas 2155 vagas, para os quadros das escolas-sede dos agrupamentos (deixando de fora as escolas secundárias).
  • Este número de vagas é muito reduzido para as reais necessidades das escolas, o que motivou o recurso à figura do destacamento bem como à do "convite", como forma de colmatar as situações resultantes de uma má avaliação de necessidades, por parte do ME.
  • Atribuição de funções de educação especial a docentes com ausência de componente lectiva, sem qualquer formação especializada e sem experiência.


Em 2007

  • Ao arrepio da legislação vigente (Decreto-Lei n.º 319/91, de 23 de Agosto), o ME, na ânsia de reduzir para 1,8% a taxa de incidência de alunos considerados com Necessidades Educativas Especiais, pressiona as escolas a utilizar uma classificação da Organização Mundial de Saúde (CIF, OMS - 2001) como paradigma referencial de avaliação das NEE.

A CIF, OMS/2001, é a peça-chave da estratégia para a elegibilidade de alunos referenciados com NEE para os serviços de Educação Especial.

A utilização desta classificação pressionou os órgãos de administração e gestão das escolas ao afastamento de milhares de alunos, o que constituiu um verdadeiro atentado à Escola Pública Inclusiva.

Em 2008

Com a publicação do Decreto-Lei n.º 3, de 7 de Janeiro, o ME assume politicamente um novo conceito de educação especial, restringindo o público-alvo aos alunos com limitações significativas ao nível da actividade e da participação num ou vários domínios de vida, decorrentes de alterações funcionais e estruturais, de carácter permanente, resultando em dificuldades continuadas ao nível da comunicação, da aprendizagem, da mobilidade, da autonomia, do relacionamento interpessoal e da participação social.

A CIF passa a ter cobertura legislativa, mas não é por isso que a torna numa referência positiva de classificação dos alunos com NEE, continuando a sua aplicação a afastar milhares de alunos dos serviços de educação especial.

É neste dispositivo legal que o ME cria as escolas de referência (para alunos cegos e surdos) e as unidades especializadas (multideficiência e alunos do espectro autista), recriando as "classes especiais" da década de 40, do século passado.

Esta "nova" rede da educação especial, que o ME tem vindo a implementar ilegalmente e a se bel prazer, continua no segredo dos deuses, apesar das reclamações da FENPROF para que se proceda à sua publicação (ponto 3 do artigo 4º).

Em 2009

Com a "nova" regulamentação dos concursos, o ME, continua, teimosamente, a não ouvir a voz daqueles que, no terreno, lidam com as situações reais, como acentuou Vitor Gomes, do Secretariado Nacional da FENPROF, no diálogo com os jornalistas. "São já muitas as irregularidades neste concurso, ainda a procissão nem vai no adro..."

Mais uma vez, em resultado de uma má avaliação das necessidades reais, as escolas secundárias continuam sem vagas para estes três grupos de recrutamento.

  • E mais: "Os docentes estão a ser opositores a vagas de agrupamentos sem conhecerem se estes fazem parte da ainda desconhecida rede para a Educação Especial."

Os docentes dos quadros da educação especial das regiões autónomas da Madeira e dos Açores têm de concorrer na quarta prioridade e não na segunda, como os colegas de qualquer outro grupo de recrutamento.

Alguns cursos de formação especializada em educação especial continuam excluídos do leque de cursos listados na portaria 212/2009, de 23 de Fevereiro, impedindo os docentes de serem opositores a este concurso, acrescentou o coordenador do sector na FENPROF.

Serve este enquadramento para demonstrar que o cenário idílico que o ME pretende construir para a Educação Especial é uma falácia:

Vagas a concurso para o quadriénio de 2009/2013:

 i.
Grupo 910:
787
 ii. Grupo 920:
7
 iii. Grupo 930:  36
 

 

Docentes em funções de educação especial (dados: ME)

 

   5 557

 

Concurso de 2006/2009

 

   2 155

 

Diferença

 

   3 402

 


Vagas a concurso (2009/2013)                                               

 

   
       830

 


                                                                                         Diferença

 


   - 2572

Como destaca a FENPROF, "este número insignificante de vagas a concurso decorre da utilização, como forma de avaliação das necessidades educativas especiais, da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF, OMS/ 2001) e da aglomeração de alunos por tipologias de deficiência nas denominadas escolas de referência".

Recorde-se, entretanto, que a FENPROF denunciou, em Junho de 2008, o afastamento, pelo ME,  de milhares de alunos com NEE dos apoios especializados da Educação Especial, em consequência da aplicação da CIF na (re)avaliação destes alunos.

Quem foge à verdade?

Naquela altura o ME acusou, então, a FENPROF de mentir (o que deu origem, como recordou Mário Nogueira, a uma queixa-crime da Federação). Mas "a verdade aí está, agora, nua e crua a dar-nos razão. Ao afastar da Educação Especial 2572 docentes, o ME desrespeita e ataca o direito constitucional à Educação de milhares crianças e jovens (e suas famílias), degrada a resposta educativa a TODOS os alunos, agrava as condições de trabalho dos profissionais da educação e vibra mais um golpe na Escola Pública Inclusiva."

Sem rodeios, a FENPROF salienta:
"O que move este Ministério, em nome do Governo, não é a Educação como um direito humano fundamental de Todos. O que move este Governo/ ME é a criação das condições para a transformação da Educação num mega negócio para as suas clientelas privadas".

"Embora consciente das dificuldades, a FENPROF manterá a luta em defesa de uma Escola Pública, de Qualidade e Verdadeiramente INCLUSIVA", conclui, deixando ainda uma interrogação final, dirigida ao Ministério de Lurdes Rodrigues:

"Face a estes cortes tão brutais, como é que o ME vai dar respostas neste sector?"

 


 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Frentes e Sectores
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo