abrir aplicação

CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
14 mar 2019 / 16:48

Escolas confirmam que lançamento precipitado e falta de recursos poderão traduzir-se em mais uma oportunidade perdida

Levantamento efetuado pela FENPROF junto das direções de escolas e agrupamentos confirma as dificuldades e insuficiências deste processo 

Desde a primeira hora que a FENPROF, por defender uma educação efetivamente inclusiva, tem vindo a criticar a forma como o Ministério da Educação empurrou as escolas para a implementação dos normativos constantes do Decreto-Lei n.º 54/2018, que estabelece o regime de educação inclusiva. 

O Ministério da Educação, na pressa de mostrar serviço antes do final da Legislatura, decidiu avançar com a implementação deste regime e a FENPROF quis saber o que achavam as escolas desse processo e como estava ele a correr. A partir de uma amostra muito significativa de escolas e agrupamentos, e a partir, exclusivamente, de respostas dadas pelas respetivas direções, confirmaram-se as preocupações antes manifestadas em relação à implementação do regime de educação inclusiva. 

Sábado, dia 16 de março, os resultados deste estudo vão ser divulgados publicamente no âmbito do Encontro Nacional sobre Inclusão, que se realizará em Lisboa, na Casa dos Direitos Sociais (Chelas/Bela Vista), a partir das 10 horas. Este encontro conta com presença de docentes, académicos, pais e encarregados de educação e, na abertura dos trabalhos, serão divulgados os resultados apurados no estudo realizado. Da oportunidade da data de publicação do diploma legal à forma como as escolas se organizaram, dos recursos existentes nas escolas ao Manual de Apoio à Prática nada ficou esquecido.


O Secretariado Nacional da FENPROF


 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Frentes e Sectores
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo