CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
13 mar 2018 / 15:16

Frente Comum e Movimento Democrático de Mulheres saúdam luta dos professores

A Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública (FCSAP) e o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) enviaram uma saudação aos professores e professoras em greve, sublinhando a justiça desta luta e manifestando «todo o seu apoio e solidariedade a esta luta, que hoje começa, fazendo votos para que seja coroada de êxito».

 


Saudação enviada pela FCSAP

 

A FRENTE COMUM SAÚDA A LUTA DOS PROFESSORES

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública saúda a greve nacional de professores que decorre entre os dias 13 a 16 de março de 2018 em todo o país.

A Frente Comum solidariza-se com as reivindicações dos docentes, manifestando o seu repúdio face à proposta do Governo relativa à recuperação do tempo de serviço para efeitos de carreira e apoia a justa exigência de uma nova proposta que, no respeito pela Declaração de Compromisso e pela Resolução n.º 1/2018, de 2 de janeiro, da Assembleia da República, garanta a recuperação integral do tempo de serviço cumprido, a ter lugar entre 2019 e 2023.
Os professores e educadores continuam sem ver garantida a regularização dos seus horários de trabalho, de modo a que a atividade desenvolvida diretamente com os alunos seja integrada na componente letiva e a componente individual de trabalho, para a qual deverão reverter as horas de redução do artigo 79.º do ECD, libertada de atividades, como reuniões e formação contínua autorizada ou obrigatória, que deverão ser contabilizadas na componente não letiva de estabelecimento.
Mais uma vez, a Frente Comum apoia o reposicionamento justo na carreira, a fixação de um valor mínimo de vagas para progressão aos 5.º e 7.º escalões, a negociação anual do número real de vagas a abrir, medidas de efetivo combate à precariedade e um regime de concursos justo e transparente. Os docentes também rejeitam qualquer medida conducente à municipalização da Educação, que, entre outras consequências negativas, acentuaria assimetrias e facilitaria lógicas de privatização da Educação.
Em defesa da carreira – recuperação de todo o tempo de serviço e reposicionamento nos escalões dos docentes com igual tempo de serviço-, para os horários – inclusão de todas as atividades com os alunos na componente letiva, integração das reuniões e formação contínua obrigatória na componente de estabelecimento, reduções letivas na componente individual - , para a aposentação – regime específico da aposentação.
A LUTA É O CAMINHO. EM DEFESA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS, DA ESCOLA PÚBLICA, DA DIGNIDADE E DIREITOS DOS TRABALHADORES, PELO DIREITO À EDUCAÇÃO, PELA DEFESA DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA.

A FRENTE COMUM SAÚDA A LUTA DOS PROFESSORES

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública saúda a greve nacional de professores que decorre entre os dias 13 a 16 de março de 2018 em todo o país.

A Frente Comum solidariza-se com as reivindicações dos docentes, manifestando o seu repúdio face à proposta do Governo relativa à recuperação do tempo de serviço para efeitos de carreira e apoia a justa exigência de uma nova proposta que, no respeito pela Declaração de Compromisso e pela Resolução n.º 1/2018, de 2 de janeiro, da Assembleia da República, garanta a recuperação integral do tempo de serviço cumprido, a ter lugar entre 2019 e 2023.

Os professores e educadores continuam sem ver garantida a regularização dos seus horários de trabalho, de modo a que a atividade desenvolvida diretamente com os alunos seja integrada na componente letiva e a componente individual de trabalho, para a qual deverão reverter as horas de redução do artigo 79.º do ECD, libertada de atividades, como reuniões e formação contínua autorizada ou obrigatória, que deverão ser contabilizadas na componente não letiva de estabelecimento.

Mais uma vez, a Frente Comum apoia o reposicionamento justo na carreira, a fixação de um valor mínimo de vagas para progressão aos 5.º e 7.º escalões, a negociação anual do número real de vagas a abrir, medidas de efetivo combate à precariedade e um regime de concursos justo e transparente. Os docentes também rejeitam qualquer medida conducente à municipalização da Educação, que, entre outras consequências negativas, acentuaria assimetrias e facilitaria lógicas de privatização da Educação.

Em defesa da carreira – recuperação de todo o tempo de serviço e reposicionamento nos escalões dos docentes com igual tempo de serviço-, para os horários – inclusão de todas as atividades com os alunos na componente letiva, integração das reuniões e formação contínua obrigatória na componente de estabelecimento, reduções letivas na componente individual - , para a aposentação – regime específico da aposentação.

A LUTA É O CAMINHO. EM DEFESA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS, DA ESCOLA PÚBLICA, DA DIGNIDADE E DIREITOS DOS TRABALHADORES, PELO DIREITO À EDUCAÇÃO, PELA DEFESA DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA.



Saudação enviada pelo MDM

 

SAUDAÇÃO ÀS PROFESSORAS E EDUCADORAS EM LUTA! 

O MDM saúda todas e todos as/os docentes do ensino não superior, em greve durante a semana que agora começa. 

Vítimas das “chamadas políticas de austeridade”, desde 2005, aplicadas pelos governos do PS e do PSD/CDS, os docentes, cuja esmagadora maioria são mulheres, foram fustigados com políticas que: 

• Dificultaram a renovação de quadros (a média etária, hoje, é de 50 anos); 

• Utilizaram, até à exaustão, a política do “usa e deita fora”, colocando numa precariedade e insegurança absolutas milhares de professoras/professores, cada vez com mais qualificações e menos perspectivas de emprego estável;

• Mantiveram docentes, com o mesmo tempo de serviço e qualificações, com diferenças abismais de salários;

• Aumentaram a idade de aposentação, para além de qualquer limite, a quem tem de educar crianças e jovens e manter todas as condições para o fazer numa escola pública, com exigências cada vez maiores;

• Viram “apagados” 9 anos e 4 meses de serviço (em alguns casos mais) da sua vida profissional, o que corresponde a uma regressão na actualização de salários de proporções desmedidas;

• Agravaram-se os seus horários de trabalho, de tal forma que, hoje estima-se em mais de 46 horas o trabalho semanal, efectivamente prestado (está em curso um estudo científico sobre o burnout docente, que certamente trará à luz do dia o cansaço e pressão a que estão sujeitos os docentes deste país que, sendo maioritariamente mulheres, “carregam”, muitas vezes, sozinhas o fardo das tarefas domésticas e educação dos seus filhos e os cuidados de familiares idosos). 

Num momento, em que tinha renascido a esperança com o actual governo, verificam que, afinal, poucas são as melhorias que a actual equipa ministerial pretende introduzir na carreira docente, para colmatar injustiças e trazer alento a uma profissão tão importante no presente e no futuro, e que, apesar das desconsiderações, tem conseguido sucessos, com os e as jovens estudantes, reconhecidos internacionalmente.

A Direcção Nacional do MDM não pode deixar de manifestar todo o seu apoio e solidariedade a esta luta, que hoje começa, fazendo votos para que seja coroada de êxito.

 

Pl’A Direcção Nacional do Movimento Democrático de Mulheres

Manuela Antunes da Silva

Sandra Benfica


 
Imprimir Abrir como PDF

Contém 2 ficheiros em anexo:

 MDM-saudacao-professoras-educadoras.pdf
 Saudacao_Luta_Professores_Frente_Comum.pdf

Partilhar:

|

Voltar ao Topo