CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
26 jul 2008 / 16:49

Partida da EB 2.3/S de Melgaço, 28 de Julho (2ª feira), às 10h30. Destino desta 1ª etapa: Valença, com passagem por Monção

É já nesta 2ª feira, 28 de Julho,  que começa a iniciativa promovida pela FENPROF sob o lema "No Trilho da Esperança", que se propõe sensibilizar a opinião pública para a crescente instabilidade que atinge os professores e a educação no nosso País.

Como era referido em nota enviada anteriormente para a comunicação social, esta iniciativa desenvolve-se de 28 de Julho a 22 de Agosto e, no seu âmbito, o professor António Morais irá percorrer o país de Norte a Sul, de bicicleta, visitando escolas, incluindo as muitas em que trabalhou ao longo da sua carreira profissional.

Convidamos, por isso, as/os senhoras/os jornalistas e os órgãos de comunicação social a comparecerem no próximo dia 28 de Julho, 2.ª feira, na Escola EB 2,3/S de Melgaço, pelas 10H30, momento em que será afixado um cartaz assinalando esta escola como pertencente ao "Trilho da Esperança".

Desta escola, António Morais partirá para uma etapa que o levará até Valença, passando pela antiga Escola EB 2,3 de Pias (Monção) que visitará por volta das 15h30.

No dia seguinte, 29 de Julho, António Morais estará na Escola EB 2,3/S de Valença, pelas 9h30, seguindo posteriormente para Viana do Castelo.

Esta iniciativa tem em vista, também, chamar a atenção para as condições de vida e de exercício da profissão de professores e educadores, nomeadamente as que se prendem com:

- o isolamento em que muitas vezes exercem a sua profissão, sem qualquer apoio por parte do poder político;

- o enorme esforço de adaptação às condições adversas do seu exercício profissional, de trabalho das escolas ou, até, de integração social das diversas comunidades que têm de abraçar ao longo das suas vidas;

- as distâncias, o afastamento da família e amigos e as sucessivas alterações de condições de vida a que se sujeitaram em toda carreira profissional;

- o custo de vida, as despesas com transportes, com segundas habitações a que não podem fugir por força das colocações, sem que, no entanto, haja da parte do poder politico qualquer tentativa para compreender a importância de haver diversos apoios, remuneratórios mas não só, que minimizassem os problemas que decorrem desta realidade.

O Secretariado Nacional da FENPROF

Voltar ao Topo