Banner sobretrabalho


CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
03 jan 2014 / 15:41

Educação reprova a "PACC"

A prova dita de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC) que o MEC de Nuno Crato quer impor aos professores é consensualmente reprovada. Para além dos professores, das instituições de formação de docentes e, de uma forma geral, da opinião pública, também a comunidade académica e científica a reprova. A FENPROF solicitou a seis reconhecidas personalidades da Educação que, a propósito daquela prova, elaborassem um comentário / declaração. O resultado é inequívoco: a PACC foi reprovada! Face a tão amplo consenso a que acresce a duvidosa legalidade de diversas normas que a enquadram, deveria o MEC eliminar de vez esta espúria prova que, como bem afirmam os nossos convidados, nada prova. / Secretariado Nacional da FENPROF, 3/01/2014

“A prova de avaliação é uma perturbação inútil na vida das escolas e dos alunos. Considero a avaliação dos professores essencial mas não vejo que esta "prova" possa contribuir para selecionar os melhores e para a qualidade da educação! E poderá privar a educação de excelentes professores!” /Ana Maria Bettencourt – Presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE) no período 2009 – 2013
   
“A profissão de professor é de grande complexidade e exigência. Necessita de uma formação de nível superior e de uma avaliação rigorosa, no espaço da escola e num ambiente profissional. Mas esta Prova não resolve qualquer
problema. Não serve para termos melhores professores nem melhor ensino. São outros os seus propósitos. Assim não.” / António Sampaio da Nóvoa – Docente Universitário. Reitor da Universidade de Lisboa no período 2006 – 2013
   
[O MEC] “instituiu uma Prova de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC) que pretende fazer o crivo de milhares de professores contratados que foram avaliados …/… o Sr. Ministro ofendendo a dignidade profissional de todos estes profissionais avaliadores e das suas instituições de ensino manda elaborar uma prova que não vai aferir nenhuma capacidade da condição docente dos professores contratados.” / Carlos Chagas – Membro do CNE; Presidente da FENEI
   
"Esta avaliação é injusta e incorreta.  Injusta porque despreza o  valor da experiência profissional dos professores obtida em situações  reais e incorreta porque só avalia uma parte ínfima das competências  que lhes são exigidas.” / David Rodrigues – Presidente da Associação Pró Inclusão
   
“De uma mente ignara daquilo que à escola e à profissão docente diz respeito, do autor de escritos sobre educação pedagogicamente retrógrados e ideologicamente reaccionários compreende-se que exija a docentes profissionalizados a submissão a uma infundada prova que nada prova, condenada por vozes de todos os quadrantes.” / Paulo Sucena – Membro do CNE; Secretário-geral da FENPROF no período 1995 - 2007
   
“Impõe-se não subestimar os vários dispositivos de vigilância da atividade docente já implementados. Tais dispositivos tornam estes dois novos exames à qualificação e certificação já adquiridas pelos professores, um esbanjamento policial que começa a causar escândalo.” / Sérgio Niza – Pedagogo. Presidente do Movimento Escola Moderna
   
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Frentes e Sectores
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo