CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
01 dez 2007 / 22:38

Um secretário de Estado nervoso com a cabeça cheia de uma base de dados que ninguém entendeu...

Enquanto Vitalino Canas ia avançando as primeiras "gaffes" do partido do Governo face aos resultados da Greve de 30 de Novembro e o Primeiro Ministro ia dando a entender que deixava as apreciações oficiais para figuras de segundo plano, o secretário de Estado da Administração Pública, João Figueiredo, lá foi preparando a "cábula" para uma estranha conferência de imprensa, onde surgiram em grande destaque expressões como "carregamento" e "base de dados"...

"Explicou" que só tinha "dados provisórios" e que foram apurados a partir "do carregamento feito pelos serviços públicos, sem qualquer intervenção dos ministérios"...

Depois, João Figueiredo tentou convencer os jornalistas que acompanhava a adesão à Greve através de uma base de dados que se encontrava na página electrónica da Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público do Ministério das Finanças e da Administração Pública e onde todos os serviços carregavam os dados relativos ao número total de funcionários e ao número dos que se encontravam ausentes.

Esta base de dados, adiantou João Figueiredo, foi carregada directamente pelos serviços, sendo a própria base de dados que faz os apuramentos da adesão... Ele, obviamente, nada tinha a ver com estes apuramentos...nem com esta análise... É um independente!...

Os dados das 13:04 horas teriam em conta o carregamento de um total de 286.642 funcionários públicos, dos quais apenas 57.374 se encontravam em greve...

Entre os serviços desconcentrados ou periféricos, dos 12.412 existentes apenas 1.389 estariam encerrados devido à Greve (11,19 por cento). Espantoso!...

Depois, entre um sorriso amarelo e uma pitada de humor fora de contexto, João Figueiredo descaiu-se e revelou que os dados (carregados...) do Executivo apenas se referiam à administração central porque "o Governo só deve e só pode fazer os apuramentos a nível da administração central", não existindo nenhuma entidade que "centralize" os dados referentes à administração local...

Confuso e nervoso, o secretário de Estado garantiu apenas o que o País real viu e  sentiu em 30 de Novembro: esta foi uma grande Greve da Administração Pública. Carregada por múltiplas razões dos trabalhadores. Ainda precisa de ir à base de dados para confirmar esta realidade, senhor secretário de Estado ? / JPO


 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Acção Sindical
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo