CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
29 set 2011 / 14:59

Concursos: FENPROF esteve na C.Parlamentar de Educação

O MEC recusa-se a reconhecer os problemas que provocou nos concursos, daí não os resolver. A FENPROF tem em sua mão documentos que indiciam que esses problemas terão sido criados por manipulação dos dados introduzidos na aplicação do concurso, o que, a confirmar-se, constituirá um grave ilícito.

Na sequência das reuniões solicitadas a este propósito a várias entidades, a FENPROF reuniu na Procuradoria-Geral da República na passada quinta-feira, dia 6 de outubro e com a Comissão de Educação, Ciência e Cultura da Assembleia da República, na sexta-feira, dia 7, da parte da manhã.

As razões por que a FENPROF entende serem fortes os indícios de manipulação e os documentos que levaram a essa desconfiança, foram matérias em destaque que a federação levou ao Procurador Geral e aos deputados.

Os indícios de manipulação de dados durante o concurso de colocação de professores vão ser analisados “cuidadosamente” pelo procurador-geral da República, disse o Secretário Geral da Federação Nacional de Professores, à saída da reunião com Pinto Monteiro.

O Procurador-Geral afirmou, no encontro, que os documentos entregues pelos sindicatos serão enviados para o Departamento de Investigação e Acção Penal.

512 recursos

“São documentos de escolas em que facilmente se constata que, durante a segunda bolsa de recrutamento essencialmente, em alguns dias não foi possível descarregar horários anuais, o que distorceu os resultados do concurso”, esclareceu Mario Nogueira,´à conversa com os jornalistas na AR, citando vários casos de professores com nove e dez anos de serviço que ficaram excluídos no concurso público devido a estas irregularidades. Existem “indícios fortíssimos que fazem crer que houve uma manipulação da aplicação, possivelmente para poupar um mês de salário”, referiu Mário Nogueira.

A FENPROF levou a São Bento uma listagem de 512 professores (realidade muito distante da que foi divulgada pelo MEC) que apresentaram recurso dos resultados dos concursos para preencher necessidades transitórias nas escolas e pediu aos deputados que apoiem uma auditoria ao processo.

 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Nacional
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo