CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
26 jul 2021 / 16:15

FENPROF pede esclarecimentos ao ME sobre formação contínua

A FENPROF dirigiu-se, esta segunda-feira, ao Secretário de Estado Adjunto e da Educação para colocar 3 questões sobre aspetos relacionados com formação contínua de professores e educadores. Assim: 

  1. Aos docentes que são formadores em Centros de Formação de Associações Profissionais (CFAP), contrariamente ao que acontece com os formadores de Centros de Formação de Associações de Escolas (CFAE), não podem ser passados certificados de formação, correspondentes a horas relevantes para a sua própria formação contínua, a ter em conta, por exemplo, no âmbito da avaliação de desempenho. Para este tratamento desigual e discriminatório não se encontra qualquer justificação racional, pelo que a FENPROF solicita a V. Ex.ª informação sobre se existe disponibilidade da parte do Ministério da Educação para alterar esta situação; 
  1. Muitos docentes têm-se dirigido à FENPROF reclamando do facto de os Centros de Formação de Associações de Escolas (CFAE) a que pertencem oferecerem em maior número, por vezes duas e três vezes mais, ações de formação com inscrição paga. Ora, tendo os docentes direito a aceder a formação contínua gratuita e sendo esta que é obrigatória para efeitos da sua avaliação de desempenho, tal prática, que está instituída em boa parte dos CFAE, deverá ser profundamente revista. As ações gratuitas são, em muitos CFAE, em número reduzido, tornando-se insuficientes para responder às necessidades de formação dos docentes por eles abrangidos, o que leva a que não frequentem formação, como era seu dever e seu direito, ou a terem de a pagar. Entende a FENPROF que esta situação deverá ser alterada, designadamente, com a limitação do número de ações de formação com inscrição paga a promover pelos CFAE ou mesmo a obrigatoriedade de, apenas, promoverem ações com inscrição gratuita. Tal implica, contudo, que estes centros de formação sejam adequadamente financiados, o que, segundo os seus diretores, não acontece; 
  1. Outro aspeto que a FENPROF considera dever ser corrigido é o facto de diversos CFAE exigirem o pagamento, pelos docentes, dos certificados de frequência de ações de curta duração. Esta parece-nos uma prática abusiva, adotada por diversos CFAE, pelo simples facto de enviarem, por e-mail, aquele certificado. Deveria o Ministério da Educação pôr fim a esta prática de financiamento abusivo de centros de formação aos quais se associam diversas escolas e agrupamentos públicos. 

 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Acção Sindical
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo