CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
07 fev 2004 / 11:12

Encerramento de escolas e reorganização escolar

Nas últimas duas décadas, o país vindo a assistir ao encerramento de um número crescente  de escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico. Dizer que este processo está exclusivamente ligado com a progressiva baixa de natalidade, é ficar pela espuma dos acontecimentos.
As causas do encerramento (suspensão, na linguagem da lei) de centenas de escolas, tem raízes profundas nas opções políticas de sucessivos governos que contribuíram, ou mesmo promoveram, a desertificação de largas regiões do país.
O abandono e o esquecimento a que sucessivos governos votaram o interior do país, fizeram deslocar para o litoral urbano milhares de portugueses. A evolução demográfica fez o resto. É assim que as escolas das zonas urbanas e suburbanas foram confrontadas com o crescimento do número de alunos por turma..

A FENPROF recusa soluções administrativas de formato único

O encerramento de pequenas escolas e a consequente concentração de crianças em estabelecimentos de ensino de dimensão maior não é possível em diversas regiões do país.
A dispersão geográfica e a própria orografia de algumas regiões não permite o desenvolvimento das soluções que estão subjacentes às posições que o Governo, através do Ministério da Educação, tem vindo a tornar públicas sem qualquer negociação com os diferentes parceiros sociais.
Não é aceitável que crianças dos primeiros quatro anos de escolaridade sejam forçadas à utilização de transportes escolares que, na solução do Ministério da Educação (encerramento das escolas com menos de onze alunos), poderiam ascender a uma  hora de manhã e outro tanto tempo à tarde.
Neste domínio, a FENPROF jamais aceitará soluções administrativas de formato único. Impõem-se medidas contextualizadas e assumidas pelas respectivas comunidades educativas tendo em conta os interesses das crianças e a diversidade do país.
Como é óbvio a racionalização de recursos não pode sobrepor-se aos direitos das crianças e das famílias. As crianças e as famílias não podem ser vitimas de qualquer das duas lógicas economicistas que têm vindo a ser afirmadas ­  i) de um lado, o Governo que pretende encerrar escolas para reduzir custos com pessoal, ii) do outro lado, algumas autarquias que se dizem dispostas a aceitar a lógica do ME se forem feitas transferências financeiras que permitam pagar os transportes escolares.

Quatro condições para as soluções de encerramento de escolas no 1º Ciclo do Ensino Básico


Sempre que as soluções encontradas sejam o encerramento de pequenas escolas e a consequente concentração de crianças em estabelecimentos de ensino de maior dimensão, a FENPROF exige que sejam observadas quatro condições:

a)
o indispensável estabelecimento de consensos com as populações.
Ao Ministério da Educação, não basta obter o acordo das autarquias locais. Ora, como se sabe, as afirmações do Ministro da Educação, deixam claro que esta é a única concordância que o Governo quer obter para avançar nas suas anunciadas intenções.
Um processo deste tipo exige diálogo, negociação e concertação com as comunidades envolvidas e, sobretudo, exige que seja assegurado às famílias que as crianças passam a frequentar uma escola melhor.

b) a salvaguarda de razoabilidade nas deslocações das crianças na tripla vertente: conforto/segurança, duração dos percursos e distâncias a percorrer;

c) o desenvolvimento de um processo específico de negociação entre o Governo e a FENPROF sobre todas as questões profissionais decorrentes do reordenamento da rede escolar.
Em causa está a estabilidade profissional de milhares de professores, bem como o  vínculo de muitos outros a escolas em concreto.
De igual forma, é absolutamente indispensável proceder à concretização de um direito profissional consagrado no Estatuto da Carreira Docente ­ incentivos a fixação dos docentes em zonas isoladas e desfavorecidas.

d) a deslocação das crianças para escolas de maior dimensão que, de facto, correspondam a uma Nova Escola.
Este caminho exige que esses estabelecimentos de ensino sejam dotados de espaços, serviços, equipamentos e materiais que claramente rompam com a situação actual. Refeitórios, pavilhões desportivos, campos de jogos, salas específicas de educação musical, expressão plástica, informática, serviços administrativos, equipamentos audiovisuais, biblioteca, mediateca e o kit mínimo  de material pedagógico elaborado pelo ME têm que fazer parte dessa nova escola.
De igual forma, essa Nova Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico que a FENPROF defende deve assentar a sua organização pedagógica em equipas educativas constituídas por  um conjunto de professores profissionalizados para a docência no 1º Ciclo e com formações diferenciadas, por forma a dar resposta às necessidades de organização pedagógica e de cumprimento do currículo que se encontra definido.

Ora, como se sabe, o Governo "começou pelo telhado"

O Governo decide o encerramento de centenas de escolas sem que estejam criadas as mínimas condições naquelas para onde serão transferidas as crianças.
De facto, não se conhece qualquer medida que permita, de forma razoável, preparar  o encerramento de centenas de escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico. Sabe-se apenas que alguém num confortável gabinete decidiu.

A FENPROF está disponível para facultar aos órgãos de comunicação social a identificação de muitas das escolas que o Governo quer encerrar para que possa verificar-se localmente o que aqui se afirma.

Lisboa, 4 de Junho de 2004
O Secretariado Nacional da FENPROF

Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Frentes e Sectores
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo