CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
19 mar 2015 / 18:16

Do negócio dos manuais à propaganda in loco

Os diretores das escolas e agrupamentos estão a ser informados sobre este processo promovido pelo  IAVE/MEC. Hoje em Lisboa, como em Beja, participaram em reuniões promovidas pelo IAVE e que contaram com a presença de representantes daquele instituo, incluindo o presidente, bem como de representante da DGEsT. Segundo alguns dos presentes, tratou-se de mera sessão de propaganda sobre a “maravilha” que é falar inglês certificado pela Cambridge. Ficam por explicar os motivos por que não é bom o inglês certificado pelas escolas portuguesas onde exercem a sua atividade professores profissionalmente habilitados.

Ao mesmo tempo que decorrem estas sessões, os professores vão sendo assediados sobre as “ferramentas para o exame do 9º ano de inglês Preliminary English Test (PET) de Cambridge English Language Assessement”. Difícil será considerar-se coincidência receberem, precisamente agora, mails como o que segue abaixo, em que são divulgados “títulos” cujos preços variam entre os 14,13 euros e os 53 euros, podendo ser encomendados pelos professores com um desconto de 10%. São livros destinados aos alunos que são enviados aos professores… depois da angariação de alunos, esperar-se-á que os professores sejam agora vendedores de livros? É, na verdade, abusar de profissionais que estão a ser usados para um processo que não se enquadra no conteúdo funcional da sua profissão.

Além disso, os professores continuam a ser convocados na véspera para as ações de dois dias que os retiram das escolas, deixando os seus alunos sem aulas. Por exemplo, para as ações iniciadas hoje, as convocatórias chegaram ontem aos professores, mais exatamente ontem às três da manhã… entretanto, há professores que foram convocados pela segunda vez.

Demarcando-se deste processo e querendo vincar a sua posição, muitos professores continuam a não comparecer ou, estando presentes, recusam realizar o teste, como aconteceu na Secundária de Barcelos, na Secundária Campos Melo (Castelo Branco), na Secundária Viriato (Viseu), na Secundária Francisco Rodrigues Lobo (Leiria), em Óbidos, na Secundária António Damásio (Lisboa), na Secundária Quinta do Marquês (Oeiras), na Secundária Emídio Navarro (Almada), na Secundária D. João II (Setúbal), entre outras.

O Secretariado Nacional da FENPROF
19/03/2015 


 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Voltar ao Topo