CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
28 abr 2014 / 17:26

Para o MEC, negociar é impor no final o diploma que apresenta no início

A negociação dos diplomas para o concurso extraordinário de vinculação dos professores das escolas especializadas de ensino artístico foi uma inexistência. Na reunião de 28 de abril, o MEC ignorou as propostas concretas e fundamentadas que a FENPROF apresentara, limitando-se a algumas correções técnicas.

A FENPROF, partindo das informações que os professores e os diretores das escolas lhe fornecerem, apresentou previamente propostas que, aceitando os pontos de partida do MEC, os ajustava de modo a que fossem corrigidas flagrantes situações de injustiças relativas que a proposta do MEC provoca. Indiferente aos argumentos e às evidências, o MEC optou por manter inalteráveis as suas propostas iniciais. Uma conceção despótica de negociação.

A FENPROF lutará até ao fim contra as injustiças que os diplomas em causa provocam nas escolas António Arroio e Soares dos Reis, na Escola de Dança do Conservatório Nacional e nas escolas de Música dos Conservatórios.

O Secretariado Nacional da FENPROF
28/04/2014 

Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Frentes e Sectores
Skip Navigation Links.

Voltar ao Topo