CGTP  |  FRENTE COMUM  |  INTERNACIONAL EDUCAÇÃO  |  FMTC  |  CPLP-SE
 
 SPN  | SPRC  | SPGL  | SPZS  | SPRA  | SPM  | SPE  

FENPROF
03 fev 2017 / 12:41

6 anos de interrupção de qualquer intervenção nas escolas públicas agravou degradação de edifícios

O anterior governo, devido à opção política de desvalorização e de desinvestimento nos serviços públicos, optando pela sua privatização, teve como uma das consequências no campo da educação, a não recuperação ou mesmo a manutenção adequada dos edifícios escolares, o que desde logo, favoreceu a sua degradação.

À suspensão da atividade da Parque Escolar, IP, alegadamente devido a uma má gestão das construções escolares, não se seguiu a adopção de quaisquer medidas de intervenção na conservação dos edifícios escolares. Um facto indesmentível é que também o atual governo paralisou, até agora, qualquer ação específica neste âmbito.

HOJE, HÁ ESCOLAS QUE ESTÃO EM ESTADO DE PROGRESSIVA DEGRADAÇÃO, PELO QUE A INTERVENÇÃO NA SUA RECUPERAÇÃO, ADAPTAÇÃO OU CONSTRUÇÃO É MESMO URGENTE!

É uma preocupação que a FENPROF tem manifestado com as escolas que, por negligência dos responsáveis governativos, vivem momentos difíceis, por diversas razões – o adiantado mau-estado de conservação, espaços que necessitam de adaptação às exigências curriculares, ou, ainda, a necessária recuperação que não se compadece com meras intervenções paliativas.

Recentemente, os exemplos das Escolas Secundárias Alexandre Herculano (Porto) ou José Falcão, (Coimbra) tiveram impacto mediático devido ao que representam no plano da preservação do património edificado, mas também pela sua importância estratégica para a rede de estabelecimentos públicos ou pela limitação às condições de trabalho (de estudo e de exercício da docência), tendo em conta o seu elevado estado de degradação. Porém, aqueles exemplos não são, obviamente casos únicos.

É, pois, por isso, perfeitamente compreensível e justa a posição que docentes, alunos ou antigos alunos e encarregados de educação, pelas suas direções e por toda a comunidade educativa, vêm assumindo, clamando por intervenções que tardam.

Perante o anúncio por parte do ME, da existência de mais de 300 milhões de euros para este efeito, falta explicitar os tempos em que essas intervenções (algumas já previstas) se farão, sob pena de professores, alunos e pessoal não docente continuarem a conviver com condições que só mesmo o elevado profissionalismo e a disponibilidade dos alunos e das suas famílias ajudam a ultrapassar. Situações a que se juntam, inevitavelmente, as deficiências evidentes ao nível do aquecimento e conforto escolar, que, muitas vezes, não são mais sentidas nas regiões tradicionalmente mais frias, mas sim, precisamente, na faixa litoral do país. Porém, esta não pode ser a solução, pelo que está chegado o momento de dizer BASTA!

Alguns exemplos de escolas, e sua localização, que estão a necessitar de intervenção urgente na sua estrutura física e no equipamento:

Almada - Escola Secundária do Monte da Caparica

Bragança – Escola Básica e Secundária de Vinhais

Castro Verde – Escola Secundária de Castro Verde

Coimbra – Escola Secundária Jaime Cortesão

Coimbra – Escola Secundária José Falcão,

Figueira da Foz – Escola Secundária Bernardino Machado

Gaia - EB 2,3 Padre António Moreira - Carvalhos

Gaia – EB 2,3 do Olival

Gaia – Escola Secundária de Oliveira do Douro

Gaia – Escola Secundária do Olival

Guarda – Escola Secundária de Gouveia

Guarda – Escola Secundária de Seia

Leiria – EB n.º 2 de Marrazes

Lisboa – Conservatório Nacional

Lisboa – Escola Secundária de Camões

Mafra - Escola Básica dos 2 º e 3º da Ericeira

Mirandela – Escola Secundária de Mirandela

Porto – Escola Básica Gomes Teixeira

Porto – Escola Secundária Alexandre Herculano

Santiago de Cacém - Escola Secundária Padre António Macedo, Santo André

Seixal - Escola Secundária João de Barros

Serpa – Escola Secundária de Serpa

Sintra – Escola Secundária Ferreira Dias

Torres Vedras – Escola Básica dos 2 º e 3º Ciclos de Freiria

Viana do Alentejo – EscolaBásica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa

Viana do Castelo – Escola EB 2,3/S de Barroselas,

Viana do Castelo – Escola EB 2,3/S do Monte da Escola

Viseu – EB 2,3 Grão Vasco

O Secretariado Nacional da FENPROF
3/02/2017 

 


 
Imprimir Abrir como PDF

Partilhar:

|

Voltar ao Topo